Plano de divulgação
Geral
Assunto
Violência
Disponibilidade
Ano - 2019
Variáveis
  • Pessoas de 18 anos ou mais de idade que sofreram violência nos últimos 12 meses, procuraram e receberam algum atendimento médico
  • Pessoas de 18 anos ou mais de idade que sofreram violência nos últimos 12 meses, procuraram e receberam algum atendimento médico, considerando um intervalo de confiança de 95% - limite inferior
  • Pessoas de 18 anos ou mais de idade que sofreram violência nos últimos 12 meses, procuraram e receberam algum atendimento médico, considerando um intervalo de confiança de 95% - limite superior
  • Coeficiente de variação - Pessoas de 18 anos ou mais de idade que sofreram violência nos últimos 12 meses, procuraram e receberam algum atendimento médico
  • Percentual de pessoas de 18 anos ou mais de idade que sofreram violência nos últimos 12 meses, procuraram e receberam algum atendimento médico
  • Percentual de pessoas de 18 anos ou mais de idade que sofreram violência nos últimos 12 meses, procuraram e receberam algum atendimento médico, considerando um intervalo de confiança de 95% - limite inferior
  • Percentual de pessoas de 18 anos ou mais de idade que sofreram violência nos últimos 12 meses, procuraram e receberam algum atendimento médico, considerando um intervalo de confiança de 95% - limite superior
  • Coeficiente de variação - Percentual de pessoas de 18 anos ou mais de idade que sofreram violência nos últimos 12 meses, procuraram e receberam algum atendimento médico
Classificações
Condição em relação à força de trabalho na semana de referência
  • Total
  • Na força de trabalho - Ocupada
  • Na força de trabalho - Desocupada
  • Fora da força de trabalho
Situação do domicílio
  • Total
  • Urbana
  • Rural
Níveis Territoriais
  • Brasil (BR)
  • Grande Região (GR)
Notas
A classificação "Situação do domicílio" está disponível apenas para o nível territorial Brasil.
Em 2013, as pessoas em licença remunerada na semana de referência da pesquisa e que estavam afastadas por período inferior a 4 meses eram classificadas como "ocupadas". Caso esse afastamento fosse igual ou superior a 4 meses, essas pessoas eram definidas como "fora da força de trabalho" e, portanto, não se investigava o rendimento do trabalho.
A partir de 2019, em acordo com as recomendações da 19ª Conferência Internacional de Estatísticos do Trabalho - CIET, da OIT, pessoas em licença remunerada, independentemente do tempo de afastamento, passaram a ser classificadas como "ocupadas" e seus rendimentos do trabalho foram coletados normalmente.
Fonte
IBGE - Pesquisa Nacional de Saúde